Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2015

Seja homem - nosso novo curso

No último dia 28, quarta-feira, Gustavo lançou nosso mais novo curso, o "Seja homem - a redescoberta da masculinidade cristã". O curso é uma tentativa de compartilhar aquilo que ele tem descoberto em suas pesquisas e, principalmente, em sua experiência a respeito deste assunto: como tornar-se o pai, o marido e o homem que Deus deseja. Além disso, o curso é também uma resposta ao apelo de várias mulheres e homens que desejam "uma versão masculina" do meu curso "De volta ao lar". Muitas mulheres que compreenderam a importância do seu papel sentem a necessidade de que os noivos/maridos compreendam igualmente o seu próprio, para que a família possa andar de fato em comunhão, sem mentalidades distintas a respeito de seus compromissos e responsabilidades.

Tem sido extremamente interessante notar as diferentes reações diante da nossa proposta. Desde o incontido entusiasmo até o escárnio, passando pelo menosprezo. Mais curioso ainda é ver que muitas das reações ne…

Nossa rotina de estudos

Há tempos tento me esquivar dos pedidos de relatos sobre a nossa rotina de estudos. Não porque nela haja algo de secreto, mas porque sei que muitas pessoas, no mais que legítimo desejo de "fazer a coisa certa", acabam procurando uma receita pronta para aplicar à sua família e, com muita frequência, o resultado dá errado.

Aqui cabe uma observação importante: Acredito que um dos segredos do sucesso e, ao mesmo tempo, um dos maiores benefícios do homeschool é, considerando as experiências alheias, procurar adaptar à própria realidade aquilo que nelas há de bom e de edificante. Em outras palavras, acredito que a receita que dá certo para a sua família é a sua própria receita, que certamente não será de todo inédita, mas que respeitará os ritmos, as necessidades, os temperamentos, enfim, as peculiaridades de cada família. Mas, voltando ao assunto...
Talvez alguns de vocês não saibam, mas conforme relatei neste post aqui, já não sou eu quem dá as aulas aqui em casa; o professor é o…

Prevenindo-se contra o feminismo nas gerações vindouras

Para mim, que sou nascida em família esquerdista, ex-amiga de companheiros esquerdistas, ex-aluna de professores esquerdistas, uma vez transposta a linha da fidelidade estúpida, não é difícil concluir que o esquerdismo brasileiro não é, na maioria dos casos, o resultado de uma adesão consciente, racional e voluntária a um corpo teórico pretensamente mais verdadeiro, mas, antes, o fruto de uma lealdade inconsciente, emocional e quase involuntária a um grupo que justifica e legitima o ressentimento, a inveja, o coitadismo e o desejo de vingança de seus pares sobre o demais, estes tidos como seus algozes, opressores e rivais. Claro, nem todos são tão infantis assim: os que não o são, em geral, são os que lucram realmente sobre o infantilismo dos primeiros.
Hoje mesmo verifiquei, pela milésima vez, na prática, o que procurei dizer acima. Tive acesso ao texto de uma garota dita cristã que pretendia explicar os motivos de sua adesão ao feminismo: nada mais do que uma sucessão de mágoas com s…

Uma nota elitista, burguesa e rabugenta

Dias atrás, durante uma discussão, fui criticada por criticar determinada prática de educação domiciliar. Meu interlocutor afirmava resolutamente que todos os métodos são válidos, tanto 'x', quanto 'y' e até mesmo 'z'. Todavia, o que está por trás de tão respeitável e democrática opinião não é a sensatez de um raciocínio ancorado na realidade, mas um não tão explícito relativismo, aquele pensamento que afirma que já não existe certo e errado, bom e mal, melhor e pior, mas apenas o tão adorado 'diferente'. Ah, o diferente! Quanto mais popular, mais acessível, mais 'chão' ele for, tanto melhor, pois um maior número de pessoas poderá ser incluída e aceita na mesma acachapante e uniformizante 'diferença'! Que lindo! Que coisa mais 'plural' -- outra palavra adorada. Quer dizer, então, que Viktor Frankl e Burrhus Skinner, Mortimer Adler e Paulo Freire, Paulo Coelho e William Shakespeare, Mc Catra e Vivaldi são todos igualmente válidos?…