quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Há 150 anos nascia a "Espalha brasas"



Neste ano comemora-se os 150 anos de nascimento de Laura Ingalls Wilder - que era carinhosamente chamada por seu pai de "Meia canequinha de sidra doce meio bebida", "Canarinho" ou "Espalha brasas" -, uma das nossas escritoras favoritas e mais constantemente lidas aqui em casa - juntamente com a Condessa de Ségur e Monteiro Lobato. 

Conhecida principalmente graças à série de TV inspirada em seus livros - "Os pioneiros" -, os nove pequenos volumes que narram desde a sua infância, passando pela adolescência, chegando até aos quatro primeiros anos de casada, relatam a maravilhosa e empolgante vida perfeitamente... normal. Sim, eu sei que soa esquisito colocar as coisas desse modo, mas, de fato, o mais incrível nas obras de Wilder é sua a capacidade de nos reconectar com a realidade e com um tempo - não tão distante do nosso - em que a cultura popular era fruto de herança e promotora da saúde dos povos - e não de engenharia social para a nossa destruição.

Nas obras de Laura, somos levados de volta à época da expansão dos Estados Unidos a oeste, já então não mais uma colônia inglesa, mas uma república independente. Em tais livros, mudam-se os locais, pois a família emigra diversas vezes; mudam-se algumas personagens, pois eles afastam-se de parentes e conquistam novos amigos; mudam-se os desafios, por vezes lutando contra nevascas, contra doenças, contra índios e contra furacões; mas há coisas que jamais mudam: a simplicidade da vida, a união familiar, o trabalho duro e o sacrifício constante uns pelos outros.

Assim, é neste sentido que digo que as obras de Wilder nos reconectam à realidade, porque nos permitem vislumbrar uma vida erguida e mantida graças aos esforços dos próprios braços: uma vida muito prática, sem desculpas, sem omissões, sem desistências, sem ressentimentos e sem as facilidades tecnológicas que tanto nos afastam do contato direto com nosso entorno - nos alienando - quanto nos fazem perder a força e o vigor físico e moral.

Costumo dizer que a boa literatura é curativa, pois nos liberta de uma porção de doenças espirituais. E este é precisamente o caso dos livros de Laura Ingalls Wilder, os quais, embora sejam infanto-juvenis, podem ser lidos com grande proveito também por nós, adultos. Ao nos descortinar uma época em que o estilo de vida das pessoas era muito mais simples, modesto e trabalhoso, Laura, provavelmente sem o querer, nos mostra como a "praticidade" moderna termina por nos apalermar e como dela precisamos bem menos do que imaginamos. 

Enfim, deixo aqui minhas palavras de incentivo a você que ainda não conhece esses livros (e o link para o primeiro deles), bem como minha gratidão ao testemunho de vida de Laura.

2 comentários:

  1. Que legal! Não conhecia esta senhora! Vou tentar adquirir a obra! :D
    Obrigada Camila,por compartilhar!
    um beijo

    ResponderExcluir

  2. Você pode gostar, Camila!


    http://reinodecaissa.blogspot.com.br/2017/08/livro-infantil-de-rewbenio-aborda-xadrez.html

    ResponderExcluir